Início de safra fortalece a exportação de frutas via Ceará
image

Início de safra fortalece a exportação de frutas via Ceará

Figurando entre os maiores fornecedores do mercado brasileiro de frutas, a Agrícola Famosa já deu início à sua safra, com a exportação de toneladas de melões e melancias produzidas em suas fazendas, via portos do Ceará. Somente na semana passada, a empresa enviou para fora do País 50 contêineres, com capacidade de armazenamento de 20 toneladas, cada um.

O embarque dos produtos na primeira semana já foi 40% maior ao volume previsto inicialmente, comemora Luiz Roberto Barcelos, sócio e diretor da Agrícola Famosa e presidente da Associação Brasileira dos Produtores Exportadores de Frutas (Abrafrutas). A safra deve se alongar até o início do mês de abril, tendo como principais destinos a Europa, com destaque para Holanda e Inglaterra.

“Retomamos as exportações dessa safra semana passada e por causa da onda de calor da Europa, as demandas estão muito favoráveis, com grande consumo. Nessa semana, estamos embarcando 104 contêineres para uma previsão inicial que girava em torno de 70”.

Valorização do dólar

Também sócio e diretor da empresa, Carlo Porro garante que o volume de exportações em 2018 será melhor que o total registrado em 2017, considerando a valorização do dólar, ruim para o turista brasileiro que deseja viajar para fora do País, mas positiva para o exportador.

“Devemos produzir uns 15 a 16 mil contêineres até fevereiro, dos quais 8.500 vão para exportação. Daqui até o fim da safra, a exportação deve crescer uns 10%”, diz Carlo Porro, estimando ainda que a empresa produz normalmente 500 contêineres por semana para atender demandas dos mercados nacional e internacional.

Mercado interno

Enquanto as exportações dão sinais positivos a players do setor de fruticultura, para ele, o mercado interno ainda está “acanhado”, devido ao baixo consumo, reflexo da atual situação econômica do Brasil e a alta taxa de desemprego. O que retrai o consumo e a priorização de outros alimentos mais básicos no dia a dia, como o arroz e o feijão.

Ranking

Com o início da safra, em meados de agosto e o encerramento em fevereiro de 2019, conforme a Cearáportos, a tendência é que as exportações de frutas cresçam ainda mais no Ceará.

Somente na safra 2017/2018, aponta a Companhia, foram movimentados 201.035 toneladas de frutas frescas pelo Porto do Pecém. As frutas mais exportadas no terminal foram: melão, manga e melancia, sendo Holanda (43,6%), Grã Bretanha (23,2%), Estados Unidos (18,5%), Espanha (7,7%) e Itália (3%) os principais destinos dos produtos.

No ranking de exportações de frutas em 2017, o Porto do Pecém ficou em segundo lugar, perdendo apenas para Natal (RN). O terceiro lugar foi de Santos (SP),já a quarta posição ficou para Salvador (BA).

Avanço de 700%

De janeiro a julho de 2018, a exportação de melões, melancias e mamões frescos cresceu 700% no Ceará, conforme dados do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (Mdic). Enquanto que, nos sete primeiros meses desse ano, o envio de tais produtos fez girar US$ 27,4 milhões, em igual período do ano passado, o montante foi de apenas US$ 3,4 milhões. Já a exportação de bananas frescas ou secas sofreu uma leve retração (-0,50%) esse ano. De janeiro a julho de 2018, a exportação desses produtos movimentou US$ 1,128 milhão. Porém, de janeiro a julho do ano passado, o valor alcançado foi de US$ 1,134 milhão.

Destaque

Gerente de Mercado e Projetos da Diretoria de Agronegócios da Agência de Desenvolvimento do Estado do Ceará (Adece), Sérgio Baima ressalta que o segundo semestre é tradicionalmente mais propício para as exportações, tendo em vista que as fortes chuvas, embora bem vindas, também atrapalham o cultivo de certas culturas como o melão. Um fator que vem contribuindo para o Estado se manter no topo de exportações, são ações dos próprios portos, frente à concorrência. “Produtores brasileiros, inclusive cearenses, exportaram muito no ano passado pelo Porto de Natal porque lá ofereciam mais facilidade na fiscalização, cobravam mais barato. E, agora, os portos do Ceará deram maior garantia para esses exportadores”.

Ainda de acordo com Baima, o Ceará se mantém como o maior exportador de acerola congelada em todo o Brasil e deve fechar 2018 com um bom desempenho. Embora ainda não supere números registrados em anos anteriores.

“Este ano vai ser melhor que o ano passado, quando exportamos US$ 73 milhões em frutas. Mas não ainda como em 2015, quando chegamos a exportar US$ 117 milhões”.

Hub

Embora o centro de conexões de voos da Air France/KLM/Gol traga mais opções de envio de mercadorias para o exterior, ainda é incipiente no que diz respeito à exportação de frutas, avalia Baima. “O hub tem influenciado muito pouco porque ainda temos que adaptar nossas exportações ao modal aéreo. Mas a tendência é que tudo melhore em função dos hubs. E talvez a gente ainda exporte diretamente do Aeroporto de Jericoacoara”.

A floricultura é um dos setores que já se preparam para se utilizar do centro de conexão de voos para exportar cada vez mais seus produtos pelos céus.